Ama-te


Passo o dia ouvindo que o problema das pessoas é a autoestima. Então me pergunto: quando e porque diabos a autoestima virou termo moda? Será mais um padrão social, como o corpo perfeito? O que exatamente as pessoas querem dizer com isso? Então percebo que esse termo tem, no mínimo, causado muita confusão. Não se trata de uma chatice semântica, o problema é o peso que está palavrinha carrega. As mulheres hoje em dia estão sempre correndo atrás da máquina: carreira, filhos, relacionamentos, a eterna busca pela beleza e pelo reconhecimento. Afinal, precisamos ser este “combo premium”: belas, inteligentes, bem sucedidas, boa mães e, claro, loucas por sexo. Não seria, então, esta tal autoestima mais uma armadilha ou um ingrediente deste conjunto de exigências que sobrecarregam a mulher contemporânea? Indo diretamente ao ponto: Será que ao chamarmos a estima pessoal de autoestima já não estamos nos induzindo a pensar que ela está necessariamente vinculada com estar “em alta”? Sei que se trata de uma tradução de "self steem ", mas se analisarmos melhor, neste caso, poderíamos usar em português “estima por si mesmo’. Sabemos também que auto se refere a da própria pessoa, como autobiografia, por exemplo. Como fugir desta pequena armadilha de interpretação, que pode levar as pessoas a confundirem autoestima como uma estima alta? Por que usar um termo geral e um pouco reducionista para algo tão complexo como nossa estima por nós mesmos? Não existem apenas duas maneiras de olharmos para nossa estima, muito menos são apenas duas as classificações: alta ou baixa. Nossa estima tem uma infinidade de significados e talvez tantos outros que ainda iremos descobrir com o tempo. Fico imaginando que minha estima por mim é como um relacionamento afetivo. Não qualquer relacionamento, mas daqueles bons, que duram uma vida toda, independente da forma, se adaptando a cada novo momento. Minha estima por mim às vezes é mais afetada pela minha aparência física; outras vezes está relacionada à minha capacidade intelectual; em outros momentos entra em crise total e, então, questiono tudo e nem sei mais se quero este relacionamento, quase desisto. Independente da fase e de fatores externos, o mais importante é estar sempre olhando para este relacionamento, monitorando suas condições gerais. Talvez por chatice, talvez pretensão ou até por alta autoestima, idealizo um momento em que cada mulher possa olhar para si com estima, utilizando seus próprios critérios e parâmetros. Assim, poderá ir fazendo os ajustes necessários para que esta relação consigo possa ser a melhor e o mais feliz possível.

É isso: ser o melhor que se pode e o mais próximo do que se é. Para ser feliz ama te.

Talvez seja só um devaneio, mas para mim tem tanto sentido.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • w-facebook
(51) 99835.5698

CONECTE-SE CONOSCO:​​

    ESCREVA PARA NÓS:​

    Rua Felipe Camarão, 243

    Porto Alegre RS

    rendeirasrs@gmail.com

    FUNCIONAMENTO

    Sempre que uma mulher estiver precisando de apoio.

     

    ENDEREÇO

    TELEFONE